Vila Brasilândia busca economia verde! Matéria sobre o Transition Brasilândia no Estadao

http://www.estadao.com.br/noticias/vidae,vila-brasilandia-busca-eco...

Vila Brasilândia busca economia verde

Bairro na zona norte de São Paulo é o primeiro exemplo no mundo de unidade pobre a ser reconhecida pelo movimento Cidades em Transição

Andrea Vialli - O Estado de S. Paulo

Há um ano, o Brasil aderiu ao movimento Transition Towns ou Cidades em Transição – uma rede com mais de 300 cidades e bairros em 14 países com o objetivo de redesenhar o meio urbano com foco em sustentabilidade, a partir da multiplicação de ações locais.

ANDRE LESSA/AE
ANDRE LESSA/AE
A ONG de Mônica Picavea levou à Vila Brasilândia o conceito de Cidades em Transição

O movimento prosperou, e uma das iniciativas brasileiras, na Vila Brasilândia, zona norte de São Paulo, tornou-se o primeiro exemplo no mundo de comunidade pobre a ser reconhecida como uma transition town.

A oficialização ocorrerá no sábado, em evento que terá apoio das Nações Unidas e será transmitido ao vivo para as demais cidades que fazem parte do movimento.

Criado na Inglaterra, o movimento Transition Towns tem como pilares organizar a transição das cidades para a economia de baixo carbono e transformá-las em modelos menos dependentes do petróleo, mais integrados à natureza e mais resistentes a crises.

Na prática, as comunidades trabalham para fortalecer a economia local – o que inclui até a criação de moedas próprias para estimular o comércio local e a realização de feiras de trocas e de orgânicos – e para incentivar construções com baixo impacto ambiental, como ecovilas.

No Brasil, capitais como São Paulo, Rio de Janeiro, Brasília e Porto Alegre já abrigam iniciativas ligadas ao movimento, além dos municípios de Serra (ES) e Petrópolis (RJ) e o distrito da Granja Viana, na região metropolitana de São Paulo.

“A ideia é resgatar o sentido de comunidade e engajamento local e fazer com que ideias brotem dos próprios moradores”, explica May East, diretora do Gaia Education, programa ligado às Nações Unidas que tem como objetivo treinar lideranças para disseminar o movimento. “Para as grandes cidades, uma alternativa é fazer a transição pelos bairros”, diz.

É o que está acontecendo na Vila Brasilândia. O bairro, formado por mais de cem favelas que se aglomeraram ao longo dos anos, foi o pioneiro entre as comunidades de baixa renda a adotar iniciativas sintonizadas com as cidades em transição.

A articulação no bairro começou há seis meses e engloba desde iniciativas de preservação ambiental no Parque da Cantareira, que faz divisa com o bairro, passando por programas de geração de renda para mulheres acima de 35 anos e de segurança alimentar, que inclui o plantio de hortas urbanas em terrenos ociosos. Todos os meses são realizadas feiras de trocas, para incentivar a economia solidária, e estão em andamento parcerias com as Secretarias Municipais de Saúde e de Meio Ambiente.

Cooperativa. Uma dessas parcerias, com a Fundação Florestal e a Sabesp, prevê a capacitação de 30 moradores que vivem no limite do parque em recomposição florestal. A ideia é formar uma cooperativa para restaurar 7,7 hectares e, ao mesmo tempo, criar empregos “verdes” na Brasilândia, explica Monica Picavea, superintendente da Fundação Stickel, organização social que levou o movimento para o bairro.

“É desafiador preparar para a sustentabilidade uma região de grande vulnerabilidade social, sem equipamentos culturais e com uma população de 140 mil habitantes”, diz.

Segundo Monica, até então, o movimento Cidades em Transição tinha o foco em bairros de classe média e alta, cujas necessidades básicas da população já são atendidas. “O Brasil está inovando em aplicar os preceitos do movimento a comunidades pobres em tão pouco tempo.”

Na avaliação do arquiteto Frank Siciliano, um dos difusores do movimento no Brasil, o objetivo do Cidades em Transição é organizar a sociedade na busca por uma alternativa ao desenvolvimento predatório.

“As mudanças climáticas trazem a urgência de um novo modelo, e essa transição pode ser feita de modo menos doloroso, resgatando o sentido de comunidade que foi perdido com a sociedade industrial”, diz Siciliano.



Exibições: 77

Comentar

Você precisa ser um membro de Transition Towns Brasil para adicionar comentários!

Entrar em Transition Towns Brasil

Treinadores Oficiais da Rede Brasileira das Cidades em Transição

Claudia Valadares Arakaki

Conheça Nossos treinadores oficiais

Fórum

DIREITO ECONÔMICO - ARTIGO

Iniciado por vanessa campana 15 Mar, 2019. 0 Respostas

Boa tarde!Estou realizando meu TCC com base na análise econômica da proposta do TTT. Estou com muita dificuldade em encontrar material em português sobre o assunto e muitas revistas científicas de…Continuar

ONG AMBIENTAL - Projeto de Formalização e Estruturação de uma ong Ambiental, Projeto SEE-MEAR

Iniciado por Maria Valentina Sena e Silva. Última resposta de Cledir Mendes Soares 13 Ago, 2018. 2 Respostas

Há boas possibilidades em São Vicente, para implantação de nossos projetos autosustentáveis. Alguém que gostaria de colaborar para que isso venha a ser uma realidade?! Estamos com colaboração em São…Continuar

Notícias de um Mutirão em Cabo Frio

Iniciado por Christianne Rothier Duarte 6 Jul, 2017. 0 Respostas

Olá, boa noite a todos!Acabei de chegar por aqui e gostaria de compartilhar uma experiência de mutirão entre moradores, visitantes e parceiros para cuidar de um largo no meu bairro que havia se…Continuar

Tags: Movimento, Social, Sustentabilidade, Frio, Cabo

Atividades no Rio de Janeiro ?

Iniciado por Valéria Burke. Última resposta de Isabela Maria Gomez de Menezes 15 Jun, 2017. 8 Respostas

Olá a todos, numa busca rápida aqui vi vários membros do Rio de Janeiro. Gostaria muito de saber se atualmente alguém(ns) está empreendendo alguma atividade Transition - principalmente na cidade - do…Continuar

© 2020   Criado por MarCelo Todescan.   Ativado por

Badges  |  Relatar um incidente  |  Termos de serviço