Programa Cidades Sustentáveis! Cidades em Transição, desenhando comunidades sustentáveis

http://www.cidadessustentaveis.org.br/boas_praticas/exibir/151

 


Cidades em Transição, desenhando comunidades sustentáveis


Crédito: por London Permaculture Flickr 

O movimento das Cidades em Transição (Transition Towns) foi criado com o objetivo de transformar as cidades em modelos sustentáveis, menos dependentes do petróleo, mais integrados à natureza e mais resistentes a crises externas, tanto econômicas como ecológicas.

Descrição breve do projeto

O movimento das Cidades em Transição (Transition Towns) foi criado pelo inglês Rob Hopkins com o objetivo de transformar as cidades em modelos sustentáveis, menos dependentes do petróleo, mais integradas à natureza e mais resistentes a crises externas, tanto econômicas como ecológicas.
A Rede Transition Network foi fundada com uma missão simples - inspirar, encorajar, conectar, dar suporte e treinar comunidades adotando e adaptando o modelo de transição para reconstruir com urgência sua resiliência (capacidade de um sistema em resistir a choques externos) e reduzir drasticamente as emissões de CO2.
As Iniciativas de Transição criam um processo promissor que engaja pessoas, comunidades, instituições e cidades para, juntas, pensarem e implementarem as ações necessárias de curto, médio e longo prazo para enfrentar as Mudanças Climáticas e o Pico do Petróleo.
O movimento acredita que não existe um modelo único de transição, nem que todas as respostas para resolver o problema da escassez do petróleo e do aquecimento global já tenham sido encontradas. A ideia é que cada sociedade use a criatividade para fazer a mudança. Para as grandes cidades, uma alternativa é fazer a transição pelos bairros, reforçando o comércio regional.
Totnes, no Sul da Inglaterra, considerada o berço e a vitrine do movimento, espera concluir seu planejamento em 2030. Em 2007, criaram-se 10 grupos de trabalho, que se reúne regularmente, para buscar soluções mais resilientes nas áreas: energia, saúde, alimentação, artes, coração & alma – a psicologia da mudança -, governos locais, economia e modos de vida. Outros grupos começam a se reunir com o foco de desenvolver o plano de resiliência comunitária para Totnes. No planejamento feito pelo movimento, muitos dos hábitos e costumes da cidade terão sido modificados quando a tarefa for concluída. O transporte será predominantemente público, e o consumo totalmente baseado na produção local. As pessoas vão consumir produtos locais e a dieta será baseada muito mais em vegetais do que em carne. As escolas passarão a preparar as crianças para as reais demandas da época, como cozinhar, plantar, construir casas a partir de materiais naturais como adubo e barro e a fazer jardinagem. Os conceitos de sustentabilidade e resiliência farão parte do currículo escolar.
No Brasil o movimento prosperou, e uma das iniciativas brasileiras, na Vila Brasilândia (Zona Norte de São Paulo), tornou-se o primeiro exemplo no mundo de comunidade de baixa renda a ser reconhecida “em transição”. Este processo envolve vários níveis de temáticas, fazendo uma conexão entre todos os atores sociais atuantes nesta área, de forma a pensarem conjuntamente soluções para as questões locais. Pode-se, também, verificar a iniciativa em São Lourenço (MG), Granja Viana/São Paulo (SP), Vila Nova Conceição/São Paulo (SP).

Metodologia

O Modelo de Transição é uma série de princípios e práticas do mundo real, criadas ao longo do tempo pela experiência e observação de comunidades, à medida que avançavam no desenvolvimento da resiliência local e na redução de suas emissões de carbono.
As fases do processo de Cidades e Comunidades em Transição devem ser adaptadas à realidade de cada comunidade:
1) Um pequeno grupo formado por membros da comunidade inicia um programa de sensibilização em torno do pico do petróleo, mudanças climáticas e da necessidade de empreender um processo de liderança da comunidade para reconstruir a resiliência, reduzir a pegada de carbono e conectar-se com outros grupos existentes, incluindo o governo local.
2) Ao se tornar maior, o grupo se auto-organiza em outros grupos divididos nas áreas-chave, tais como: alimentação, transportes, energia, habitação, educação, têxteis, etc... E desenvolve projetos práticos em resposta a duas questões: a falta de resiliência e o pico do petróleo.
Alguns exemplos: apoio à agricultura orgânica de produção familiar, moedas locais, clubes de bairro de redução de carbono, hortas e pomares urbanos comunitários. A maioria das iniciativas de cidades e comunidades em transição está nesta fase.
3) Quando a iniciativa está suficientemente avançada com esses conceitos e práticas, ela embarca no processo EDAP (Plano de Ação de Energia Decrescente). O plano contempla uma visão e design da comunidade referente aos próximos 15-20 anos, cria em seu planejamento uma série coordenada de projetos em todas essas áreas-chave, com o objetivo de trazer à comunidade para uma realidade suficientemente resiliente e de baixas emissões de CO2. Um número muito pequeno de Iniciativas de cidades e comunidades em Transição iniciou esta fase.
4) Começar a aplicar a EDAP, partilhar sucessos e fracassos com outras Iniciativas da Rede de Cidades em Transição que estão seguindo pelo mesmo caminho. Até junho de 2010, somente a Transition Town Totnes já havia iniciado esta fase.
Os princípios básicos de Transição são: visão positiva; ajudar as pessoas ao acesso às boas informações e confiar em seu poder de tomada de decisão; inclusão e abertura; ativar o compartilhamento e o trabalho em rede; construir resiliência; transição interior e exterior; transição faz sentido - a solução é do mesmo tamanho que o problema; subsidiariedade: a auto-organização e a tomada de decisão ao nível adequado.

Objetivos

• Reduzir a pegada de carbono local
• Aumentar a resiliência das comunidades

Cronograma

• 2002: Rob Hpokins começa a desenvolver a ideia
• 2005: Kinsale, Irlanda, decide adotar o plano de mudança proposto por Rob Hpokins – Plano de Ação de Energia Decrescente. Este Documento foi preparado por estudantes de permacultura da Faculdade de Kinsale Further Education, sob a direção de Rob Hopkins
• 2005: Começo do projeto Transition Towns Totnes (TTT) com um programa intensivo de aumento de conscientização
• Setembro 2006: Lançamento Oficial da iniciativa “Cidade em Transição de Totnes” (Inglaterra) com a presença de 350 pessoas na Prefeitura, no qual Totnes vira vitrine do movimento
• 2007: É desenvolvido o Plano de Ação de Energia Decrescente para Totnes
• 2007: Criação dos 10 grupos de trabalho para a busca de soluções em Totnes, e outros para desenvolver o plano de resiliência comunitária local
• Agosto 2011: O Movimento conta com mais de 800 iniciativas espalhadas pelo mundo

Resultados

• Em Totnes, foi criada uma nova moeda – a libra de Totnes – para incentivar e facilitar transações com produtores locais
• Mais de 800 iniciativas espalhadas pelo mundo, em agosto de 2011: 453 iniciativas oficiais e em funcionamento, e 377 iniciativas em formação, em 34 países
• Algumas das cidades que já possuem iniciativas:
- Totnes, GB – população (2001): 7,4 mil
- Kinsale, Irlanda – população (2002): 2,2 mil
- Penwith, Cornualha – população (2001): 63 mil
- Ivybridge, GB – população (2001): 12 mil
- Falmouth, GB – população (2001): 21,6 mil
- Bristol, GB – população (2007): 416,9 mil
- Brixton, GB – população (2001): 64,6 mil
- Glastonbury, GB – população (2001): 8,7 mil
- Nottingham, GB – população (2001): 249,5 mil
- Brighton&Hove, GB – população (2001): 247,8 mil
- Portobello, Edimburgo, GB – população (2001): 6,7 mil
- Market Harborough, GB – população (2001): 20,7 mil
- Sunshine Coast, Austrália – população (2010): 330 mil  

Instituições envolvidas

• Fundadores: Rob Hopkins and Peter Lipman
• Artists Project Earth
• Esmee Fairbairn Foundation
• The Tudor Trust
• Lush
•Mais de 700 iniciativas espalhadas pelo mundo

Objetivos

• Reduzir a pegada de carbono local
• Aumentar a resiliência das comunidades

Resultados

• Em Totnes, foi criada uma nova moeda – a libra de Totnes – para incentivar e facilitar transações com produtores locais
• Mais de 800 iniciativas espalhadas pelo mundo, em agosto de 2011: 453 iniciativas oficiais e em funcionamento, e 377 iniciativas em formação, em 34 países
• Algumas das cidades que já possuem iniciativas:
- Totnes, GB – população (2001): 7,4 mil
- Kinsale, Irlanda – população (2002): 2,2 mil
- Penwith, Cornualha – população (2001): 63 mil
- Ivybridge, GB – população (2001): 12 mil
- Falmouth, GB – população (2001): 21,6 mil
- Bristol, GB – população (2007): 416,9 mil
- Brixton, GB – população (2001): 64,6 mil
- Glastonbury, GB – população (2001): 8,7 mil
- Nottingham, GB – população (2001): 249,5 mil
- Brighton&Hove, GB – população (2001): 247,8 mil
- Portobello, Edimburgo, GB – população (2001): 6,7 mil
- Market Harborough, GB – população (2001): 20,7 mil
- Sunshine Coast, Austrália – população (2010): 330 mil  

Cronograma

• 2002: Rob Hpokins começa a desenvolver a ideia
• 2005: Kinsale, Irlanda, decide adotar o plano de mudança proposto por Rob Hpokins – Plano de Ação de Energia Decrescente. Este Documento foi preparado por estudantes de permacultura da Faculdade de Kinsale Further Education, sob a direção de Rob Hopkins
• 2005: Começo do projeto Transition Towns Totnes (TTT) com um programa intensivo de aumento de conscientização
• Setembro 2006: Lançamento Oficial da iniciativa “Cidade em Transição de Totnes” (Inglaterra) com a presença de 350 pessoas na Prefeitura, no qual Totnes vira vitrine do movimento
• 2007: É desenvolvido o Plano de Ação de Energia Decrescente para Totnes
• 2007: Criação dos 10 grupos de trabalho para a busca de soluções em Totnes, e outros para desenvolver o plano de resiliência comunitária local
• Agosto 2011: O Movimento conta com mais de 800 iniciativas espalhadas pelo mundo

Fotos

  

 

Exibições: 533

Comentar

Você precisa ser um membro de Transition Towns Brasil para adicionar comentários!

Entrar em Transition Towns Brasil

Treinadores Oficiais da Rede Brasileira das Cidades em Transição



Conheça Nossos treinadores oficiais

Fórum

DIREITO ECONÔMICO - ARTIGO

Iniciado por vanessa campana 15 Mar, 2019. 0 Respostas

Boa tarde!Estou realizando meu TCC com base na análise econômica da proposta do TTT. Estou com muita dificuldade em encontrar material em português sobre o assunto e muitas revistas científicas de…Continuar

ONG AMBIENTAL - Projeto de Formalização e Estruturação de uma ong Ambiental, Projeto SEE-MEAR

Iniciado por Maria Valentina Sena e Silva. Última resposta de Cledir Mendes Soares 13 Ago, 2018. 2 Respostas

Há boas possibilidades em São Vicente, para implantação de nossos projetos autosustentáveis. Alguém que gostaria de colaborar para que isso venha a ser uma realidade?! Estamos com colaboração em São…Continuar

Notícias de um Mutirão em Cabo Frio

Iniciado por Christianne Rothier Duarte 6 Jul, 2017. 0 Respostas

Olá, boa noite a todos!Acabei de chegar por aqui e gostaria de compartilhar uma experiência de mutirão entre moradores, visitantes e parceiros para cuidar de um largo no meu bairro que havia se…Continuar

Tags: Movimento, Social, Sustentabilidade, Frio, Cabo

Atividades no Rio de Janeiro ?

Iniciado por Valéria Burke. Última resposta de Isabela Maria Gomez de Menezes 15 Jun, 2017. 8 Respostas

Olá a todos, numa busca rápida aqui vi vários membros do Rio de Janeiro. Gostaria muito de saber se atualmente alguém(ns) está empreendendo alguma atividade Transition - principalmente na cidade - do…Continuar

© 2020   Criado por MarCelo Todescan.   Ativado por

Badges  |  Relatar um incidente  |  Termos de serviço