“Do meu lixo cuido eu” - Adorei isso! Já estou implantando isso aqui na Granja tb! Experiência do Claudio Oliver! Convidei ele para nossa rede!

http://www.gazetadopovo.com.br/vidaecidadania/conteudo.phtml?tl=1&a...


Quinta-feira, 27/05/2010

Fotos: Marcelo Elias/Gazeta do Povo

Fotos: Marcelo Elias/Gazeta do Povo / Débora e Eduardo na Casa da Videira do Mossunguê: cultivo em área nobreDébora e Eduardo na Casa da Videira do Mossunguê: cultivo em área nobre
http://www.gazetadopovo.com.br/img/gazetanova/img.gif?10.02.01); background-repeat: no-repeat; background-attachment: initial; -webkit-background-clip: initial; -webkit-background-origin: initial; background-color: initial; color: rgb(19, 77, 134); font: normal normal normal 10px/normal arial; text-transform: uppercase; width: auto; background-position: -289px 4px; ">VIZINHANÇA

No Mossunguê que não conhece a solidão

Membros de ONG da Vila Fanny se mudam para casas de bairro e mostram que comprar na venda, fazer sabão e plantar horta é possível numa grande cidade

25/04/2010 | 00:06 | JOSÉ CARLOS FERNANDES

Quem passa pela Rua Pedro Nico, no Mossunguê, pode até imaginar o que acontece por aquelas bandas: umas poucas casas de madeira de Clotildes e Teresas dividem espaço com condomínios de luxo e espigões que se erguem do chão, anunciando que a Curitiba de antigamente não mora mais ali.

Mas não é o caso. Apesar das muralhas e da imponência da Ecoville, um movimento urbano nasce na região mostrando, acreditem, que o tal do mundo novo não é coisa de ficção. Ali, um bosque, o “Dona Justina”, está sendo cuidado pelos moradores. O condomínio produz pouco lixo e abriga ovelhas. Há hortas caseiras e relações de vizinhança tal e qual nos tempos da nonna Pina.

À frente dessa história está o ex-dentista fluminense Cláudio Oliver, 53 anos, morador de um condomínio de luxo, desses com piscina, porteiro e um quintal de mato verde, ao fundo, para deleite das 30 famílias que pagaram para respirar ar puro e se proteger da violência. Eis um convite ao pouco caso – mas não foi o que se deu.

O tal do “mato ao fundo” virou motivo de conversa entre Cláudio e os condôminos, assim que ele, a pediatra Kátia e a filha do casal, Giovana, se mudaram para a Pedro Nico. O que o bom falante – versado em línguas, Filosofia, Teologia e estudioso aplicado de sociedade sustentável – argumentou, não se sabe. O fato é que em pouco tempo as ovelhas negras Rita Lee e Beto (de Roberto de Carvalho) passaram a circular livremente pela muralha, alterando a paisagem, e sinalizando não se tratar de um lugar qualquer.

 / Oliver e as galinhas: “Ter 20 cachorros produzindo zoonoses pode?”Ampliar imagem

Oliver e as galinhas: “Ter 20 cachorros produzindo zoonoses pode?”

Na cabeça

Conheça alguns dos programas que o coletivo Casa da Videira desenvolve.

1 “Do meu lixo cuido eu”. Com posteiras fechadas, com minho cas e torneirinhas para liberar o chorume, são mantidas no fundo do quintal para curtir lixo orgânico. Depois o material é usado nas hortas familiares.

2 Hortas caseiras. São planta das em pequenas áreas, com o uso de técnicas agrícolas adaptá veis a pequenos espaços. Resgate de plantas como a “Ora pro nobis”, cuja folha tem alto poder nutritivo.

3 Alimentos. Produção de man tei ga, doces e geleias. Leite vem de sítios de agricultura orgânica em Campo Magro.

4 “Sacolas da videira”. Opção à sacola de plástico. São feitas com calças jeans velhas.

5 Sabão da liberdade. Óleo de cozinha usado é recolhido para fabricar sabão, que é vendido, a preços módicos. Embalagem à moda antiga: em papel jornal, amarrada com fio de juta.

6 Jardins livres. Coletivo planta hortas e flores em áreas baldias usadas para outdoors, abrigo de mendigos e de usuários de crack.

7 Bicicleta branca. Criação de entreposto na Rua Pedro Nico para que a população possa emprestar bicicleta para percorrer distâncias de até seis quilômetros.

O segundo passo foi dado nos limites do sobrado dos Oliver, uma espécie de Cabo Kennedy em miniatura, de onde lança suas ideias. Num terreninho de 40 metros quadrados o “ativista cristão”, como prefere ser chamado, plantou uma horta – que lhe rende 350 quilos de alimentos por ano – e desenvolveu um processo de compostagem de lixo orgânico.

“Aqui fica todo o lixo da casa”, avisa, referindo-se às caixas pretas de plástico, todas vedadas, com minhocas a bordo, empilhadas num canto do muro, e nada mais. Detalhe: dá para o vizinho vê-las pelo muro, o que bastou para que um, e depois outro, adotasse a prática revolucionária como um levante. Da experiência nasceu um dos muitos slogans de mister Oliver: “Do meu lixo cuido eu”.

Em paralelo, o animado Cláu dio lotou seu “armário de Nár nia”, na despensa, com potes e potes de geleias caseiras – que divide, claro, com os mais próximos. Também fabrica sacolas de pano e promove jantares “naturebas” no quintal da village, entre outros mimos que o tornam o boa praça do pedaço.

De tão simples e tão fácil – com exceção de um condômino – to dos aderiram à compostagem, ao recolhimento de óleo de cozinha para fazer sabão, à coleta de pó de café usado, entre outros segredos de salvamento do meio am biente que meio planeta conhece, aprova, mas não sabe como dar conta.

Pois Cláudio tem a resposta. “Fale com seu vizinho, ora”, diz, a postos para explicar por que as duas quadras do Mossunguê em que transita estão prestes a se tornar um modelo municipal de gestão comunitária. A boa e velha conversa, seguida de negociação e senso de limite se encarregam do resto. E o resto é que são elas: as ações nascidas no sobrado 6 já atravessaram a rua e atingiram um pequeno núcleo de antigas casas de madeira.

É preciso ir ao começo. Até pouco tempo, Oliver e um grupo de 70 entusiastas administravam a bem-sucedida ONG Casa da Videira, na Vila Fanny. O espaço se tornou uma referência “brincante”, oferecendo oficinas audiovisuais para adolescentes em situação de risco. Ou não. O Canal Futura se interessou pelo projeto e assim permanece até hoje, reproduzindo em parceria os vídeos feitos na organização.

Mas a turma da ONG queria mais e decidiu levar à risca o termo “casa”, mudando para uma – melhor, para cinco. Não foi complicado. Em vez de habitarem um único local, passaram a formar uma rede de militantes debruçados no portão. Tal como previsto, o milagre das videiras se deu. Em especial na Rua Pedro Nico. Além de Cláudio e família, mora por lá o casal de educadores Eduardo e Débora Feniman, vinculados ao projeto, inquilinos de uma duas águas modelo “vovó.”

O termo “zona de influência”, tão usado por comunicadores, encontrou ali um case doméstico. Cláudio, Eduardo e Débora têm cativado a redondeza para os ditames da vida simples. Em vez de supermercado, compram no armazém do seu Gabriel. E carregam tudo no tuperware. O trio almoça junto todos os dias, cria galinhas, cultiva a terra, faz sabão para vender, capta água da chuva. Detalhe: não se vê mosca nem se sente mau cheiro.

“O pessoal acha que não dá tempo para essas práticas. Mas o segredo é fazer tudo de forma coletiva. Não gasto mais do que quatro horas por dia nas tarefas”, explica Eduardo, que estuda Pedagogia na UFPR e vive com R$ 2 mil por mês. “Meu grande trabalho é descobrir o que fazer com as coisas que as pessoas descartam.”

Por tempo, entenda-se muito mais do que dar de comer às galinhas – responsáveis instantâneas pelo consumo do lixo do coletivo e dos simpatizantes. A moçada da Videira deu de ocupar terrenos baldios, onde planta árvores e espalha odes de amor à natureza. Típicos “agricultores urbanos”, chegam de Kombi e em regime de mutirão trocam o mato pelo canteiro de flores. “Será que é possível resgatar o homo sapiens?”, indagam-se.

A prefeitura já ralhou com essas ações. Mas a turma das Casas da Videira é afiada. Lembra aos fiscais que é melhor um canteiro do que uma área baldia para fumar crack. O mesmo se diga das galinhas. “Ah! Ter 20 cachorros pode, né...”, esbravejam. Como no Mossunguê das antigas todo mundo tinha granjas e pés-de-quê, a volta dos tempos de antanho não tem causado guerrilhas no 156.

Para quem achou essa história uma viagem, o coletivo avisa que vem mais. Um dos planos é tratar do próprio esgoto. O outro é viver com cada vez menos dinheiro. Quem quiser, que os siga. “Para 2011, vou abandonar o cartão de crédito”, avisa Cláudio, que está 80% sem carro em 2010 e se prepara para implantar o programa “Bicicleta Branca” na Pedro Nico. É só chegar, pegar a bike, e seguir. A devolução fica por conta da consciência do usuário.

Melhor não duvidar. Cláudio é um ser conectado. A experiência da Videira, nesse momento, está sendo debatida em um encontro na República Dominicana, para falar de um dos países em que gerou entusiasmo. Amparado nas teorias do norte-americano John McKnights, um papa na relação entre vizinhança e desenvolvimento, o ativista do Mossun guê ganha o mundo comendo morangos do quintal.

Com sorte, seu vizinho mais ilustre, o pré-candidato ao governo Beto Richa, pode dar um passeio pela Pedro Nico e confirmar com os próprios olhos esse sururu dos arrabaldes. Há pelo menos de concordar com uma das máximas de Cláudio – “esqueça o idealismo. Aqui, um outro mundo acontece”.

Exibições: 145

Comentar

Você precisa ser um membro de Transition Towns Brasil para adicionar comentários!

Entrar em Transition Towns Brasil

Treinadores Oficiais da Rede Brasileira das Cidades em Transição



Conheça Nossos treinadores oficiais

Fórum

DIREITO ECONÔMICO - ARTIGO

Iniciado por vanessa campana 15 Mar, 2019. 0 Respostas

Boa tarde!Estou realizando meu TCC com base na análise econômica da proposta do TTT. Estou com muita dificuldade em encontrar material em português sobre o assunto e muitas revistas científicas de…Continuar

ONG AMBIENTAL - Projeto de Formalização e Estruturação de uma ong Ambiental, Projeto SEE-MEAR

Iniciado por Maria Valentina Sena e Silva. Última resposta de Cledir Mendes Soares 13 Ago, 2018. 2 Respostas

Há boas possibilidades em São Vicente, para implantação de nossos projetos autosustentáveis. Alguém que gostaria de colaborar para que isso venha a ser uma realidade?! Estamos com colaboração em São…Continuar

Notícias de um Mutirão em Cabo Frio

Iniciado por Christianne Rothier Duarte 6 Jul, 2017. 0 Respostas

Olá, boa noite a todos!Acabei de chegar por aqui e gostaria de compartilhar uma experiência de mutirão entre moradores, visitantes e parceiros para cuidar de um largo no meu bairro que havia se…Continuar

Tags: Movimento, Social, Sustentabilidade, Frio, Cabo

Atividades no Rio de Janeiro ?

Iniciado por Valéria Burke. Última resposta de Isabela Maria Gomez de Menezes 15 Jun, 2017. 8 Respostas

Olá a todos, numa busca rápida aqui vi vários membros do Rio de Janeiro. Gostaria muito de saber se atualmente alguém(ns) está empreendendo alguma atividade Transition - principalmente na cidade - do…Continuar

© 2020   Criado por MarCelo Todescan.   Ativado por

Badges  |  Relatar um incidente  |  Termos de serviço