PROJETO S.O.M.O.S.

Dados do Proponente

Local e data: CACHOEIRINHA, RS – 05 DE ABRIL DE 2016.

Nome

ROGÉRIO DOS SANTOS

Setor de Atuação

3º (TERCEIRO)

Dados de Correspondência e Contato

Endereço

RUA FRANÇA, 115, CASA 01

Profissão

GENERALISTA

Bairro

MARECHAL RONDON

Telefone

(51) 9252-8631

Cidade

CACHOEIRINHA

E-mail

lapidarium@hotmail.com

UF

RIO GRANDE DO SUL

CEP

94.965-180

Título: PROJETO S.O.M.O.S. (SUSTENTABILIDADE ORGANIZACIONAL MULTIDICIPLINAR, ONTOLÓGICA SOCIAL)

http://projetosomos.blogspot.com.br/p/resumo-do-projeto-somos.html?view=classic


Resumo da Proposta:

Objetivo Geral: Implantação de cooperativas multidisciplinares, na forma de empresas sociais, interligadas em rede, com o objetivo de geração de trabalho, renda, saberes e relações colaborativas resilientes, para inclusão sócio produtiva de pessoas em desvantagem sócio econômica ou em situação de risco e/ou vulnerabilidade, como base para o desenvolvimento sustentável, com foco no desenvolvimento de tecnologias sociais escaláveis e adaptáveis as especificidades individuais, de grupo, locais e regionais.

Público alvo, instrumentos, meios de consolidação e mercado alvo:

1. Público alvo geral: PCDs (Pessoas com deficiências), jovens a partir de 16 (dezesseis) anos em situação de vulnerabilidade sócio econômica e/ou afetiva, pessoas oriundas de pós tratamento de desintoxicação química por drogadicção, pessoas que estejam cumprindo penas alternativas, egressos do regime prisional, pessoas em desvantagem econômica que dependam de programas governamentais garantidores de subsistência, desempregados e/ou excluídos do mercado formal, bem como outros indivíduos que desejem integrarem-se ao Projeto, obedecida a Carta de Princípios do mesmo e as legislações pertinentes ao ato.

1.1. Instrumento de consolidação: Cooperativa Social.
1.2. Meios de consolidação: Produção de órteses e próteses, cadeiras de rodas mecânicas e motorizadas, triciclos, bengalas, impressão de livros didáticos e técnicos em Braille em mídia plástica oriunda da reciclagem de garrafas PET, pisos táteis, etiquetas metálicas, plásticas e emborrachadas em Braille, mapas táteis, desenvolvimento de novas tecnologias.
1.3. Mercado alvo: Sócios parceiros e voluntários da Cooperativa, sendo estes pessoas físicas ou jurídicas.
1.4. Stakeholders diretos: 20 famílias, compondo em média 60 pessoas.
1.5. Stakeholders indiretos: 100 famílias, compondo em média 300 pessoas, (tendo-se como base de cálculo uma projeção de interação de cada família com mais 5 famílias, compostas pela média de três pessoas por família)
1.6. Público alvo: Pessoas em situação de desvantagem sócio econômica ou em situação de risco.Sendo o Mercado alvo, além dos sócios da cooperativa, todo o ente que precise de produtos e tecnologias de inclusão.

2. Instrumento de consolidação: Cooperativa de Trabalho.
2.1. Meios de consolidação: Prestação de serviços gerais e técnicos.
2.2. Mercado alvo: Pessoas jurídicas privadas e públicas, bem como pessoas físicas.
2.3. Stakeholders diretos: 25 famílias, compondo em média 75 pessoas.
2.4. Stakeholders indiretos: 125 famílias, compondo em média 375 pessoas, (tendo-se como base de cálculo uma projeção de interação de cada família com mais 5 famílias, compostas pela média de três pessoas por família)
3. Instrumento de consolidação: Cooperativa de Produção (construção civil).
3.1. Meios de consolidação: Produção de tijolos ecológicos a partir de resíduos da construção civil e de lodos passivados oriundos da indústria e de estações de tratamento de esgotos, assim como a produção de outros insumos para construção civil, processados a partir de passivos ambientais.
3.2. Mercado alvo: Pessoas jurídicas privadas e públicas, bem como pessoas físicas em geral.Tendo como alvo principal as Cooperativas Habitacionais, atuando em conjunto com a Cooperativa de Trabalho.
3.3. Stakeholders diretos: 35 famílias, compondo em média 105 pessoas.
3.4. Stakeholders indiretos: 175 famílias, compondo em média 525 pessoas, (tendo-se como base de cálculo uma projeção de interação de cada família com mais 5 famílias, compostas pela média de três pessoas por família)
4. Instrumento de consolidação: Cooperativa de Produção (Agroecológica).
4.1. Meios de consolidação: Produção e processamento de alimentos orgânicos e criação e processamento de peixes.
4.2. Stakeholders diretos: 20 famílias, compondo em média 60 pessoas.
4.3. Stakeholders indiretos: 100 famílias, compondo em média 300 pessoas, (tendo-se como base de cálculo uma projeção de interação de cada família com mais 5 famílias, compostas pela média de três pessoas por família)
4.4. Mercado alvo: Pessoas jurídicas privadas e públicas, bem como pessoas físicas em geral.Tendo como alvo principal as Cooperativas de nossa rede e as demais que queiram aderir ao programa.
5. Instrumento de consolidação: Cooperativa de Consumo.
5.1. Meios de consolidação: Organização de grupos de compras coletivas de forma consciente com foco na sustentabilidade geral e pessoal.
5.2. Mercado alvo: Pessoas jurídicas privadas e públicas, bem como pessoas físicas em geral.Tendo como alvo principal as Cooperativas de nossa rede e as demais que queiram aderir ao programa.
5.3. Stakeholders diretos: 100 famílias, compondo em média 300 pessoas.
5.4. Stakeholders indiretos: 500 famílias, compondo em média 1500 pessoas, (Resultante da interação das demais cooperativas)
6. Instrumento de consolidação: Cooperativa Educacional.
6.1. Meios de consolidação: Organização das demais cooperativas em torno de uma proposta de formação continuada, no que tange o ensino do cooperativismo autogestionário e da economia popular solidária, bem como com foco no ensino curricular primário e secundário, no formato presencial e a distância.
6.2. Stakeholders diretos: 100 famílias, compondo em média 300 pessoas.
6.3. Stakeholders indiretos: 500 famílias, compondo em média 1500 pessoas, (Resultante da interação das demais cooperativas)
6.4. Mercado alvo: Tendo como alvo principal as Cooperativas de nossa rede e as demais que queiram aderir ao programa.de nossos projetos.
7. Instrumento de consolidação: Cooperativa de Crédito mútuo.
7.1. Meios de consolidação: Obedecendo as legislações pertinentes a este ramo cooperativista, teremos neste instrumento, um forte aliado para financiarmos através do micro crédito, as produções das cooperativas de nossa rede.
7.2. Mercado alvo: Tendo como alvo principal as Cooperativas de nossa rede e as demais que queiram aderir ao programa.de nossos projetos.
7.3. Stakeholders diretos: 100 famílias, compondo em média 300 pessoas.
7.4. Stakeholders indiretos: 500 famílias, compondo em média 1500 pessoas, (Resultante da interação das demais cooperativas)
8. Totais: 1.800 pessoas beneficiadas direta e indiretamente, quando da consolidação das 12 (doze) cooperativas.
9. Forma de atuação: O Projeto S.O.M.O.S., apresenta alguns aspectos comuns a todos envolvidos.

As atividades são realizadas pela equipe do projeto e observadas de forma interativa, pelos que têm interesse no projeto – os stakeholders.

O processo de gestão e governança para tomada de decisões possui um modelo de gestão transversal integrada em rede, no que tange as comunicações, aquisição e gestão das informações bem como a tomada de decisões, com base na divisão e compartilhamento de responsabilidades, saberes e integração entre as partes, respeitando as individualidades e peculiaridades de cada um, onde são valorizados os múltiplos saberes de cada indivíduo, em detrimento a este possuir titulações acadêmicas ou não, com o objetivo de maximizar o engajamento, o fortalecimento do coletivo, e a minimização das possibilidades de erros e desvios dos objetivos e metas do projeto, conduzindo à efetivação da resiliência do projeto enquanto coletivo. O conjunto de informações geradas, é documentada, tratada e encaminhada para seus respectivos bancos de dados, correlacionados estes à área de gestão com a qual se destine, constituindo este conjunto a fonte de subsídios para o corpo gestor realizar as tomadas de decisões dentro dos melhores e mais amplos princípios de Gestão da Inteligência das Informações. Atingiremos nossos públicos alvo através de de uma intervenção direta, por meio de chamadas públicas, e intervenções individuais e coletivas por meio de palestras, de forma a convidar-lhes a uma reflexão acerca da insustentabilidade de seus modos de vida, propondo-lhes apresentar uma solução na qual eles sejam participes ativos dos processos de gestão que os conduza para uma vida coletiva e sustentável, no sentido mais amplo dos termos. Pretendemos adotar uma gestão horizontalizada de forma transversal no que tange as tomadas de decisões e o desenvolvimento dos trabalhos, tendo em vista que as Cooperativas supracitadas, bem como em sua totalidade, como descritas no anexo I, complementam os trabalhos umas das outras, tendo então como método de tomada de decisões um programa coletivo integrado em rede e colaborativo. Iremos adotar como modelo padrão, no que tange a gestão dos projetos, o PMBOK 5, permitindo assim além da escalabilidade dos mesmos, um maior controle destes em suas diversas etapas e variáveis, com uma minimização dos riscos de falhas e com a produção de material intelectual de relevente valor social, histórico e cultural tendo em vista que será a primeira vez que um projeto como este é desenvolvido no Rio Grande do Sul e talvez no Brasil. Para isso, contaremos ainda com a articulação com entes públicos e privados, que desenvolvam atividades congêneres ou correlatas as diversas áreas de abrangência e desdobramentos do Projeto S.O.M.O.S.

10. Resultados esperados: A curto prazo a minimização, a médio prazo a diminuição e a longo prazo a erradicação de problemas sociais congênitos, que geram a insustentabilidade da vida em nosso Planeta hoje. Problemas estes que são pontuados nos 17 (desessete) eixos temáticos da virada do milênio da ONU, que são:

ODS1. Acabar com a pobreza em todas as suas formas, em todos os lugares;

ODS2. Acabar com a fome, alcançar a segurança alimentar, melhorar a nutrição, e promover a agricultura sustentável;

ODS3. Assegurar uma vida saudável e promover o bem-estar para todos, em todas as idades;

ODS4. Garantir educação inclusiva e equitativa de qualidade, e promover oportunidades de aprendizado ao longo da vida para todos;

ODS5. Alcançar igualdade de gênero e empoderar todas as mulheres e meninas;

ODS6. Garantir disponibilidade e manejo sustentável da água e saneamento para todos;

ODS7. Garantir acesso à energia barata, confiável, sustentável e moderna para todos;

ODS8. Promover o crescimento econômico sustentado, inclusivo e sustentável, emprego pleno e produtivo, e trabalho decente para todos;

ODS9. Construir infraestrutura resiliente, promover a industrialização inclusiva e sustentável, e fomentar a inovação;

ODS10. Reduzir a desigualdade entre os países e dentro deles;

ODS11. Tornar as cidades e os assentamentos humanos inclusivos, seguros, resilientes e sustentáveis;

ODS12. Assegurar padrões de consumo e produção sustentáveis;

ODS13. Tomar medidas urgentes para combater a mudança do clima e seus impactos;*

*Reconhecendo que a Convenção-Quadro das Nações Unidas sobre a Mudança do Clima (CQNUMC) é o principal fórum internacional e intergovernamental para negociar a resposta global à mudança do clima.

ODS14. Conservar e promover o uso sustentável dos oceanos, mares e recursos marinhos para o desenvolvimento sustentável;

ODS15. Proteger, recuperar e promover o uso sustentável dos ecossistemas terrestres, gerir de forma sustentável as florestas, combater à desertificação, bem como deter e reverter a degradação do solo e a perda de biodiversidade;

ODS16. Promover sociedades pacíficas e inclusivas para o desenvolvimento sustentável, proporcionar o acesso à justiça para todos e construir instituições eficazes, responsáveis e inclusivas em todos os níveis;

ODS17. Fortalecer os mecanismos de implementação e revitalizar a parceria global para o desenvolvimento sustentável.

  1. Considerações finais: Este documento destina-se apenas a ser um release do Projeto S.O.M.O.S., tendo em vista a amplitude do mesmo.Os recursos necessários para a implantação e desenvolvimento do mesmo, tanto nos seus módulos quanto em sua totalidade, serão obtidos por meio de campanhas de captação diversas, utilizando-se alguns critérios pétreos para aquisição e aceite dos mesmos, os quais são descritos na carta de princípios do Projeto. As 1.800 ( Mil e oitocentas) pessoas beneficiadas direta e indiretamente pelo projeto, descritas no ítem 8., refer-se a indivíduos já cadastrados e que possuem muito mais que a necessidade de implementação do Projeto, o desejo de realizar o mesmo, sendo esta quantidade, apenas o mínimo necessário para ativação de todos os Ramos Cooperativos, com seus desdobramentos, tendo este número de pessoas envolvidas, a tendência natural de multiplicar-se exponêncialmente na proporção mínima de 1:3 (Um para três) em progressão geométrica.Os cronogramas, planilhas de viabilidade, E.A.P (Estrutura Analítica do Projeto), E.A.R.( Estrutura Análítica de Resultados), bem como outros documentos, poderão ser disponibilizados, mediante oficialização do interesse de colaboração e/ou parceia, ou ainda fomento material humano, isntrumental ou financeiro. As demais cooperativas que compõem o projeto, estão descritas no anexo I. Todas as cooperativas irão orbitar em torno do FAB LAB Cachoeirinha, que estará integrado ao núcleo gestor do Projeto, gerando tecnologias físicas e sociais para o desenvolvimento coletivo.


GLOSSÁRIO


PROJETO S.O.M.O.S. ( explicação da sigla):
Sustentabilidade Organizacional Multidiciplinar, Ontológica Social, define o conceito que presupõe que não existe sustentabilidade sem organização, sendo esta o resultado da soma do máximo de conhecimentos humanos que possam ser compartilhados e gerados de forma individual e coletiva, abangendo todas as áreas do saber humano, sendo ontológica, por ter uma visão filosófica proveniente do aristotelismo; parte da filosofia que tem por objeto as propriedades mais gerais do ser, apartada da infinidade de determinações que, ao qualificá-lo particularmente como ser desconectado do meio ecológico enquanto espécie animal, ocultam sua natureza plena, integral e coletiva. Levando à reflexão a respeito do sentido abrangente do ser, como aquilo que torna possível as múltiplas existências do indivíduo no coletivo, sendo este o real agente da transformação social pacífica, progressiva e por conseguinte sustentável, e não vítimas de casuísmos intangíveis e inalteráveis e/ou fatalistas.
Acresento ainda que, o PROJETO S.O.M.O.S., refere-se também ao fato de que para que uma empresa social seja sustentável, é preciso muito mais SER do que ter, fazendo alusão ao coletivo como sendo a soma do individual, elevando para outro nível, de compreenção do que sejam os interesses difusos, coletivos e individuais homogênios.

Casuísmo: Ação jurídica que tem em vista favorecer ou resolver o problema de uma pessoa ou de grupo de pessoas, sem levar em conta o bem coletivo.

Empresa social: É um tipo de empresa que não visa o lucro financeiro como objetivo e sim como consequência de um conjunto de ações, como por exemplo: Sistema de gestão colaborativa horizontalizada, inclusão do custo social e ambiental nas planilhas de cálculo de viabilidade e gestão do negócio. O lucro neste tipo de empresa pode ser: social, ambiental, emocional, intelectual e por fim financeiro, tendo ainda a previsão de destinação de percentuais do lucro financeiro auferido nas operações da mesma, para por exemplo minimizar ou corrigir efeitos da pegada sócio-ecológica intrínseca a própria existência da empresa.

Escalabilidade: É uma característica desejável em todo o sistema, em uma rede, processo, projeto e principalmente nas empresas sociais, que indica sua capacidade de manipular e tornar útil, uma porção crescente de trabalho e informações, de forma uniforme e integrada, estando preparado para crescer e também para ser reproduzido por outros, de forma adaptável as realidades locais de onde venha ser instalado.

PMBOOK 5: O guia Project Management Body of Knowledge {(PMBOK) Conhecimento do corpo de gestão de projetos}, é um conjunto de práticas na gestão de projetos organizado pelo instituto PMI (O Project Management Institute é uma instituição internacional sem fins lucrativos que associa profissionais de gestão de projetos e é considerado a base do conhecimento sobre gestão de projetos por profissionais da área. 

Resiliência: É um substantivo feminino, e indica a propriedade que alguns corpos apresentam de retornar à forma original após terem sido submetidos a uma deformação elástica; sendo utilizado no campo social, como indicador da capacidade de indivíduos ou grupos se recobrarem facilmente ou se adaptarem às mudanças ou divergências, sem perderem o foco dos seus objetivos precípuos e de seus valores.

Stakholders: O termo stakeholder foi criado pelo filósofo Robert Edward Freeman¹. Ele foi cunhado em 1963 em um memorando interno do Stanford Research Institute e se referia à "grupos que sem seu apoio a organização deixaria de existir". Para Freeman, o termo stakeholder possui um sentido amplo e outro mais estrito. O primeiro faz referência a todo grupo ou indivíduo que influencia ou é influenciado pelo alcance dos objetivos da organização. E no sentido mais estrito, se refere a indivíduos ou grupos dos quais a organização depende para sobreviver. O objetivo subjacente que define tal agente stakeholder é ser aquele que entrega algum valor a uma pessoa ou organização, mesmo que não seja o único ou principal interessado no negócio ou projeto.

¹(nascido em 18 de dezembro de 1951) é um filósofo americano e professor de administração de empresas na Darden School da Universidade da Virgínia, particularmente conhecido por seu trabalho sobre teoria dos stakeholders (1984).

ANEXO I

Estrutura quantitativa das cooperativas do Projeto S.O.M.O.S.

  1. COORDENAÇÃO DO PROJETO S.O.M.O.S. FAB LAB CACHOEIRINHA: 14 PESSOAS /

  2. COOPERATIVAS DA CENTRAL: 20 PESSOAS

  3. COOPERATIVA TRABALHO ( CONSTRUÇÃO CIVIL, MANUTENÇÃO PREDIAL): 07 PESSOAS

  4. COOPERATIVA PRODUÇÃO ( FABRICAÇÃO DE TIJOLOS ECO, ABERTURAS, MÓVEIS E OBJETOS DE DECORAÇÃO): 20 PESSOAS

  5. COOPERATIVA TRABALHO ( CONSTRUÇÃO DE CASAS): 07 PESSOAS

  6. COOPERATIVA TRABALHO, DIARISTAS E MANUTENÇÃO DOMÉSTICA: 07 PESSOAS

  7. COOPERATIVA DE TECNOLOGIA – TRABALHO EM MANUTENÇÃO DE HARDWARES, INST. SOFTWARES, REDES, ETC): 07 PESSOAS

  8. COOPERATIVA DE CONSUMO:20 PESSOAS

  9. COOPERATIVA DE LOGÍSTICA: 20 PESSOAS

  10. COOPERATIVA EDUCACIONAL: 20 PESSOAS

  11. COOPERATIVA DE CRÉDITO MÚTUO SOLIDÁRIO: 20 PESSOAS

  12. COOPERATIVA DE SAÚDE HUMANA: 20 PESSOAS

  13. COOPERATIVA DE SAÚDE ANIMAL: 20 PESSOAS

Cronograma básico geral

Abril

Maio

Junho

Julho

Agosto

Setembro

Outubro

INICIAÇÃO

Dia 5

PLANEJAMENTO

X

X

EXECUÇÃO

X

X

X

X

X

X

MONITORAMENTO E CONTROLE

X

X

X

X

X

X

X

ENCERRAMENTO DA FASE INICIAL E INÍCIO DO PROCESSO DE GESTÃO GLOBAL DO PROJETO S.O.M.O.S.

X

Anexo II

Estrutura de governança do projeto, stakeholders, papéis e responsabilidades:

Convergência entre as áreas do conhecimento, os grupos de processos e stakeholders

ÁREAS DE CONHECIMENTO

INICIAÇÃO

PLANEJAMENTO

EXECUÇÃO

MONITORAMENTO E CONTROLE

ENCERRAMENTO

INTEGRAÇÃO

1. DESENVOLVER O TERMO DE ABERTURA DO PROJETO

2. DESENVOLVER O PLANO DE GERENCIAMENTO DO PROJETO

3. ORIENTAR E GERENCIAR A EXECUÇÃO DO PROJETO

4. MONITORAR E CONTROLAR O TRABALHO DO PROJETO

6. ENCERRAR O PROJETO OU FASE1

5. REALIZAR O CONTROLE INTEGRADO DE MUDANÇAS

ESCOPO

1. COLETAR OS REQUISITOS

4. VERIFICAR O ESCOPO

2. DEFINIR O ESCOPO

5. CONTROLAR O ESCOPO

3. CRIAR O ESCOPO DE APRESENTAÇÃO DO PROJETO

TEMPO

1. DEFINIR AS ATIVIDADES

6. CONTROLAR O CRONOGRAMA

2. SEQUENCIAR AS ATIVIDADES

3. ESTIMAR OS RECURSOS DAS ATIVIDADES

4. ESTIMAR AS DURAÇÕES DAS ATIVIDADES

5. DESENVOLVER O CRONOGRAMA

CUSTOS

1. ESTIMAR OS CUSTOS

3. CONTROLAR OS CUSTOS

2. DETERMINAR O ORÇAMENTO

QUALIDADE

1. PLANEJAR A QUALIDADE

2. REALIZAR A GARANTIA DE QUALIDADE

3. REALIZAR O CONTROLE DA QUALIDADE

RECURSOS HUMANOS

1. DESENVOLVER O PLANO DE RECURSOS HUMANOS

2. MOBILIZAR A EQUIPE DO PROJETO

3. DESENVOLVER A EQUIPE DE PROJETO

4. GERENCIAR A EQUIPE DO PROJETO

COMUNICAÇÃO

1. IDENTIFICAR AS PARTES INTERESSADAS

2. PLANEJAR AS COMUNICAÇÕES

3. DISTRIBUIR AS INFORMAÇÕES

5. REPORTAR O DESEMPENHO

4. GERENCIAR AS EXPECTATIVAS DAS PARTES INTERESSADAS

RISCOS

1. PLANEJAR O GERENCIAMENTO DOS RISCOS

6. MONITORAR E CONTROLAR OS RISCOS

2. IDENTIFICAR OS RISCOS

3. REALIZAR A ANÁLISE QUALITATIVA DOS RISCOS

4. REALIZAR A ANÁLISE QUANTITATIVA DOS RISCOS

5. PLANEJAR AS RESPOSTAS AOS RISCOS

AQUISIÇÃO

1. PLANEJAR AS AQUISIÇÕES

2. CONDUZIR AS AQUISIÇÕES

3. ADMINISTRAR AS AQUISIÇÕES

4. ENCERRAR AS AQUISIÇÕES

SISTEMA DE GESTÃO TRANSVERSAL INTEGRADA

CONVERGÊNCIA DAS ÁREAS DO CONHECIMENTO ACIMA

GESTORES

GRUPOS DE PROCESSOS

1.INICIAÇÃO

GERENTE GERAL DO PROJETO

ADMINISTRADOR

EQUIPE TÉCNICA

BENEFICIÁRIOS

2.PLANEJAMENTO

GERENTE GERAL DO PROJETO

ADMINISTRADOR

EQUIPE TÉCNICA

BENEFICIÁRIOS

3.EXECUÇÃO

GERENTE GERAL DO PROJETO

ADMINISTRADOR

EQUIPE TÉCNICA

BENEFICIÁRIOS

4.MONITORAMENTO E CONTROLE

GERENTE GERAL DO PROJETO

ADMINISTRADOR

EQUIPE TÉCNICA

BENEFICIÁRIOS

5.ENCERRAMENTO

GERENTE GERAL DO PROJETO

ADMINISTRADOR

EQUIPE TÉCNICA

BENEFICIÁRIOS

LEGENDA DE IDENTIFICAÇÃO DOS STAKEHOLDERS

FUNÇÕES

INTERVENÇÃO E ÁREA DE AÇÃO

PATROCINADORES

GERENTE GERAL DO PROJETO

ADMINISTRADOR

EQUIPE TÉCNICA

BENEFICIÁRIOS

FAVORECIDOS

DIRETOS

INTERNOS

EXTERNOS

INDIRETOS

INTERNOS

EXTERNOS

RESPONSABILIDADES DA EQUIPE GESTORA DO PROJETO S.O.M.O.S.

Funções Gerais

Identificar demandas, variáveis, soluções técnicas e alternativas;

Implementar as soluções encontradas;

Dar suporte às atividades de monitoramento e gestão do Projeto S.O.M.O.S.

Na Fase de Iniciação

Fornecer estimativas para a elaboração das propostas;

Assegurar com que as especificações sejam adequadas para os objetivos

Projeto S.O.M.O.S.;

Analisar os requisitos com relação à consistência e disponibilidade de

recursos.

Na Fase de Planejamento

Desenvolver a documentação técnica Projeto S.O.M.O.S.;

Identificar ferramentas e métodos aplicáveis Projeto S.O.M.O.S.;

Identificar os pontos de convergência das cooperativas e definir as ferramentas de integração destas.

Na Fase de Execução

Submeter os relatórios de status aos coordenadores de cada cooperativa;

Conduzir as atividades de acordo com o estabelecido nos planos Projeto S.O.M.O.S.;

Identificar e documentar os riscos;

Participar das reuniões de avaliação do progresso Projeto S.O.M.O.S.;

Realizar as atividades de testes e ensaios nos produtos Projeto S.O.M.O.S..

Na Fase de Fechamento

Identificar e documentar lições aprendidas.

Beneficiários

Os Beneficiários dos produtos Projeto S.O.M.O.S. são responsáveis por expressar suas necessidades e expectativas de modo claro e completo.

O grupo como um todo, por sua vez, é responsável pela aplicação dos produtos Projeto S.O.M.O.S. e pela realização dos benefícios previstos na fase de iniciação.

Responsabilidades do Beneficiários

Funções Gerais

Articular os requisitos dos Beneficiários;

Propor alternativas de solução.

Na Fase de Iniciação

Definir os requisitos e características esperadas para os produtos Projeto S.O.M.O.S..

Na Fase de Planejamento

Revisar e validar os planos Projeto S.O.M.O.S..

Na Fase de Execução

Validar os produtos intermediários.

Apoiar testes e ensaios.

Participar de reuniões de revisão Projeto S.O.M.O.S..

Na Fase de Fechamento

Assinar as aprovações de deliberações;

Participar das reuniões sobre Lições Aprendidas.

Síntese

O Projeto S.O.M.O.S., apresenta alguns aspectos comuns a todos envolvidos.

As atividades são realizadas pela equipe do projeto e observadas de forma interativa, pelos que têm interesse no projeto – os stakeholders.

O processo de gestão e governança para tomada de decisões possui um modelo de gestão transversal integrada no que tange as comunicações, aquisição e gestão das informações bem como a tomada de decisões, com base na divisão e compartilhamento de responsabilidades, saberes e integração entre as partes, respeitando as individualidades e peculiaridades de cada um, onde são valorizados os múltiplos saberes de cada indivíduo, com o objetivo de maximizar o engajamento e o fortalecimento do coletivo, e minimização das possibilidades de erros e desvios dos objetivos e metas do projeto.

O conjunto de informações geradas, é documentada, tratada e encaminhada para seus respectivos bancos de dados, correlacionado estas à área de gestão que esta se relacione, constituindo este conjunto a fonte de subsídios para o corpo gestor realizar as tomadas de decisões dentro dos melhores princípios de Gestão da Inteligência das Informações.

Os seis grupos de Stakeholders primários e seus desdobramentos são:

  1. Patrocinadores –

a.1) Diretos:

a.1.1) Gestão pública, através da integração e convergência dos pontos comuns entre as políticas públicas e os objetivos do Projeto S.O.M.O.S.

a.1.2) Recursos internos dos sócios das cooperativas;

a.1.3) Empresas Parceiras;

a.2)Indiretos:

a.2.1) Outras pessoas jurídicas;

a.2.2) Pessoas físicas.

  1. Gerente geral do projeto – Rogério dos Santos;

  1. Administradores – Gestores das cooperativas;

  1. Equipe técnica, [{21 (vinte um) profissionais} Cooperativa: Projeto S.O.M.O.S.:

d.1) Gerente de RH;

  1. 1º Auxiliar;

  2. 2º Auxiliar;

d.2) Assistência social

  1. 1º Auxiliar;

  2. 2º Auxiliar;

d.3) Gerência jurídica;

  1. 1º Auxiliar;

  2. 2º Auxiliar;

d.4) Gerência de arquitetura e urbanismo;

  1. 1º Auxiliar;

  2. 2º Auxiliar;

d.5) Gerência financeira e contábil;

  1. 1º Auxiliar;

  2. d.5.2) 2º Auxiliar;

d.6) Gerência de comunicação e marketing;

  1. 1º Auxiliar;

  2. 2º Auxiliar;

d.7) Gerência médica Interdisciplinar;

  1. 1º Auxiliar;

  2. 2º Auxiliar;

  1. Beneficiários:

Diretos:

e.1) Cooperativa de produção de tijolos ecológicos.

e.1.1) 202 (duzentas e duas) famílias, compostas em média por 4 (quatro) pessoas, perfazendo um número de 808 beneficiários diretos, tendo porém o desdobramento para 1.800 pessoas beneficiadas diretamente, quando da consolidação das 12 (doze) cooperativas.

Indiretos:

e.4) Serão considerados beneficiários indiretos, todos aqueles que possuindo ou não vínculo com alguma das cooperativas inerentes a este projeto, pessoas físicas ou jurídicas de direito privado do 1º, 2° ou do 3° setor, que venham a ser beneficiados de alguma forma com a implementação do Projeto S.O.M.O.S. e com seus desdobramentos, assim como pala aquisição de produtos ou saberes, oriundos das interações do projeto com a sociedade externa a este como um todo.

  1. Favorecidos:

f.1) Diretamente:

f.1.1) Fornecedores de matérias primas;

f.1.2) Fornecedores de máquinas e ferramentas;

f.1.3) Fornecedores de alimentação pronta;

f.1.4) Fornecedores de produtos alimentícios, de vestuário e materiais escolares por atacado e varejo;

f.1.1) Produtores da agricultura familiar, em razão de nossa meta de aquisição direta do produtor de produtos alimentícios orgânicos;

f.1.5) Fornecedores de transporte coletivo;

f.1.1) Mercado financeiro, tendo em vista o aquecimento dos mercados locais onde haja intervenção de compra e venda por parte das cooperativas oriundas do projeto;

f.1.1) Município de Cachoeirinha e cidades do entorno desta na região metropolitana de Porto Alegre e o Estado do RS, tendo em vista o aumento do IDH, com a política de geração de trabalho e renda, acesso a moradia digna e sustentável e inclusão social produtiva, que este projeto prevê, tendo ainda a geração de impostos resultantes das interações entre os mercados de produção e consumo;

f.2) Indiretamente:

f.2.1) A sociedade como um todo será beneficiada, pela exemplificação de uma dinâmica de interação de grupo coordenada e focada com vistas ao resultado máximo, no que tange a inclusão social, a sustentabilidade, a autogestão e a valorização do indivíduo na construção da harmonia com o meio ambiente e de seu crescimento como ser social produtivo, fraternal e inserido no mercado como agente de efeito e não como vítima de causas adversas a sua interação.

O conteúdo deste Projeto em sua plenitude, está protegido pela: LEI Nº 9.610, DE 19 DE FEVEREIRO DE 1998, bem como por suas alterações e leis complementares como a LEI Nº 12.853, DE 14 DE AGOSTO DE 2013, e outras.

Exibições: 82

Anexos

Responder esta

Respostas a este tópico

/Vou ler com att devida e depois te retorno. 

Oká! Leia mesmo e depois se quiser replicar o conceito, fale comigo e compartilhamos as ferramentas para tal.

Fique a vontade para questionar.

Atenciosamente.

Responder à discussão

RSS

Treinadores Oficiais da Rede Brasileira das Cidades em Transição

Conheça Nossos treinadores oficiais

Fórum

PERMACULTURA PARA TODOS

Iniciado por Simón Paz 6 Jun, 2016. 0 Respostas

Bom dia a todos!Transcrevemos abaixo a proposta da campanha PERMCULTURA PARA TODOS, que lançamos na plataforma de financiamento colaborativo Kickante (…Continuar

Tags: povos, originários, Araguaia-Xingú, indígenas, crowdfunding

PROJETO S.O.M.O.S.

Iniciado por ROGÉRIO DOS SANTOS. Última resposta de ROGÉRIO DOS SANTOS 11 Abr, 2016. 2 Respostas

PROJETO S.O.M.O.S.Dados do ProponenteLocal e data: CACHOEIRINHA, RS – 05 DE ABRIL DE 2016.NomeROGÉRIO DOS SANTOSSetor de Atuação3º (TERCEIRO)Dados de Correspondência e ContatoEndereçoRUA FRANÇA, 115,…Continuar

Perguntas para a imprensa

Iniciado por Edouard de La Rochefordière. Última resposta de Maria Valentina Sena e Silva 11 Abr, 2016. 3 Respostas

Olá,Eu trabalho como jornalista para "Altermondes", uma revista francesa especializada em direitos humanos, meio ambiente e questões internacionais de desenvolvimento. Você estaria interessado em…Continuar

Atividades no Rio de Janeiro ?

Iniciado por Valéria Burke. Última resposta de maria elizabeth c quintella 21 Jan, 2016. 7 Respostas

Olá a todos, numa busca rápida aqui vi vários membros do Rio de Janeiro. Gostaria muito de saber se atualmente alguém(ns) está empreendendo alguma atividade Transition - principalmente na cidade - do…Continuar

© 2017   Criado por MarCelo Todescan.   Ativado por

Badges  |  Relatar um incidente  |  Termos de serviço